Domingo, 8 de Novembro de 2009
Depois dos ultimos Fogos estes Municípios , Mação , Vila De Rei, Sertã , Proença a Nova e Oleiros deviam investir mais no medronho

Depois dos ultimos Fogos estes Municípios, Mação, Vila De Rei, Sertã, Proença a Nova e Oleiros deviam investir mais no medronho igual como investem na Azeitona. Uma arvore que se adapta perfeitamente nos nossos terrenos montanhosos e com um dos unicos frutos Portugueses onde a “PROCURA” é maior que a “OFERTA”. Isto podia vir a ser um grande sucesso para esta zona abandonada pelos Nossos Governos que só querem praia a BEIRA MAR. Onde para Eles o resto de Portugal interior não existe. Antigamente Dom Afonso Henriques governava Portugal com a sua espada de norte a sul e de este a oeste. SE HOUVESSE GOVERNOS UM POUCO MAIS SENSÍVEIS AO BEM ESTAR DO INTERIOR DO PAÍS, ESTA ZONA COM O MEDRONHO PODIA VIR A SER UMA ZONA DEMARCADA COMO O VINHO DO PORTO EM PORTUGAL OU O COGNAC, CHAMPAGNE NA FRANCA etc etc e vir a reclamar grandes fundos da CEE.

 

Oleiros assume-se como Capital do Medronho

 

A já famosa "Capital do Cabrito Estonado" assume-se agora como a "Capital do Medronho" e a realização da 3.ª edição da Semana do Medronho e da Castanha está a envolver toda a comunidade, entre instituições e particulares.

 

Durante estes dias, para além de diversas actividades de âmbito pedagógico e desportivo, como é o caso da 3.ª Maratona de BTT "Rota do Medronho", irá haver bastantes actividades de âmbito cultural e gastronómico, como é o caso da 3.ª Mostra Gastronómica, nos 7 restaurantes aderentes. Durante estes dias, quem visitar o Posto de Turismo, poderá adquirir os produtos locais e à base de Castanha e Medronho, assim como visualizar documentários ou visitar algumas exposições.


Para além dos restaurantes, os cafés e bares de Oleiros também aderiram a esta iniciativa e estão a promover as mais sugestivas noites temáticas, onde não vão faltar o Caipironho, a Medronhoska ou o Medronhito. Os alojamentos locais também decidiram marcar a sua presença e quem quiser vir até Oleiros poderá optar por uma das excepcionais unidades de alojamento turístico que existem no concelho. São elas: o aldeamento turístico Vilar dos Condes, o CampingOleiros, a Casa dos Hospitalários e a Casa S. Torcato - Moradal.


Durante estes dias, também os comerciantes oleirenses se juntaram ao evento e engalanaram as suas montras com motivos alusivos a estes dois frutos outonais. As infra-estruturas camarárias também estão em sintonia e no complexo desportivo das Piscinas Municipais irá realizar-se uma semana temática homenageando o Medronho e a Castanha.


Segundo a organização, este evento poderá "fomentar a consolidação de fileiras alternativas, ao mesmo tempo que estimula a valorização dos recursos endógenos". A aposta nestes dois recursos endógenos, é encarada como "uma hipótese para afirmar toda esta região e criar alternativas capazes de gerar riqueza num território bastante genuíno e com imenso potencial". Como vê, tem motivos de sobra para visitar Oleiros durante estes dias, não hesite... Para mais informações, consulte o "Destaques" do site do município em www.cm-oleiros.pt.


Oleiros na "Rota do Medronho"


È já no próximo dia 15 de Novembro que o Município de Oleiros, em parceria com a Associação Pinhal Total, promove a já conhecida maratona de BTT "Rota do Medronho", a qual promete fazer as delícias dos cerca dos cerca de 150 betetistas. Os participantes, para além de desfrutarem de todo o património oleirense, levam ainda para casa camisolas de ciclismo comemorativas do evento.

 

 


 


Mas o grande problema é que a maioria dos produtores de medronho não está


Authoridades &  produtores de medronho 2006-10-18 | . - Até há poucas décadas, a aguardente de medronho constituía uma das três principais fontes de rendimento das populações da serra algarvia, juntamente com o queijo de cabra e o mel. O medronheiro ocupava uma extensa área do território serrano. Só para ter uma ideia, até aos anos 50, esta árvore de fruto abrangia cerca de 10 mil hectares do concelho de Monchique (25 por cento do território do município), tendo decrescido para menos de um terço actualmente. Os registos a que o nosso jornal teve acesso apontam para uma produção média de 500 a 600 mil litros de aguardente na área de Monchique, na década de 60, sendo a maior parte produzida para consumo próprio e só cerca de 36 por cento era destinada à venda no comércio. Com o passar dos anos, a produção de aguardente de medronho na região sofreu um forte decréscimo, tendo caído para um valor que oscila entre os 50 e 80 mil litros anuais, no início de 1980. Em 2001, segundo dados do Ministério da Economia, existiam apenas 266 produtores registados de aguardente de medronho, localizados, na sua maioria, nos concelhos de Loulé, Silves, Tavira e Monchique. Mas o grande problema é que a maioria dos produtores de medronho não está licenciada, apesar de o processo de legalização que agora passou a ser responsabilidade das autarquias depois de ter sido lançado há cerca de dois anos.

publicado por Verde Pinho às 13:51
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De Luis Lopes Martins a 9 de Novembro de 2009 às 17:59
Também digo devíamos unir todos estes concelhos e formar uma Corporativa do Medronho na região e registar um nome como MEDRONHO DO CENTO ou outro qualquer.

Comentar post

.mais sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.links da zona
.arquivos

. Agosto 2011

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Setembro 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

blogs SAPO
blogs SAPO
.subscrever feeds